Começámos em Maio 2009, recebemos 358 comentários aos 687 posts

Obrigada a todos os que de múltiplas formas contribuem para o esqueciaana Escrevam: esqueciaana@gmail.com




os 10 posts mais lidos (esta semana) seguidos dos posts mais recentes (26 Outubro 2016):

Oct 18, 2012

...Testemunho (fonte:AFAAB)


(nota do esqueciaana: transcrevo este testemunho da Sofia deixado no site da AFAAB aqui)

enviado em 2012-09-21 por

"olá!
Eu sou a Sofia, e à dois anos que ando a ser seguida pela Dr. Isabel Brandão, quem me diagnosticou anorexia nervosa e mais tarde bulimia. Neste momento tenho 18 anos, e já escrevi aqui, mas com uma perspectiva diferente. Todo este percurso começou com uma simples dieta, em que eu queria mostrar a todos que era forte e era capaz de só comer coisas saudáveis.
 
Sempre fui uma rapariga, que fingia ser mais forte que tudo e todos e conseguir não comer todos aqueles doces e guloseimas que todos os meus amigos comiam, para mim era uma forma de mostrar que conseguia tudo aquilo que queria. Mas esta brincadeira, não passou de uma simples dieta de uma jovem de 15 anos. A obcessão pela restrição de comida começou a ser enorme e incontornável. Estava a ser giro estar a perder uns quilos e toda a gente me dizer que estava mais magra. Tudo isto continuou, cada dia pior. No final do verão de 2010, eu já nem sequer saia com os meus amigos. Comecei a desmaiar várias vezes, a recusar ir a jantares e toda a gente se começou a aperceber. Até que depois de tanto que a minha mãe e o meu namorado me chatearam para ir a uma consulta,até porque a minha tia já tinha tido o mesmo problema, e então a minha mãe apercebeu-se facilmente. Eu fui, e detestei. Para mim, não fazia sentido, eu estava ótima. Mas segundo a médica, não.
 
Consultas seguiram-se e eu cada vez a perder mais quilos e a isolar-me mais. Só chorava, só queria morrer. Magoei muitas pessoas, mas nunca ninguém imagina a dor que é para nós próprias. É dificil, ouvir uma pessoa de quem gostamos dizer que quer morrer, mas se para os outros é, então para nós próprios chegarmos a esse estado, é porque é mesmo horrivel viver com este pesadelo todos os dias. Quase não conseguia andar, sentia-me tão fraca, só queria estudar e ser perfeita.
 
Depois de tanto sofrimento, veio a revolta, a bulimia. Numa das variadas tardes, em que estava em casa a estudar, deu-me vontade de comer tudo o que me apareceu à frente, mas claro, a seguir veio a culpa e comecei a vomitar. Desde aí, foi sempre assim. Ora passava o dia sem comer, ora comia tudo. O pior, foi que de um momento para o outro, engordei imenso, sentia-me inchada, e isso era horrível. Chorava das dores de garganta que tinha de forçar o vómito. Só andava com roupas largas para esconder a "gordura". Comecei a tomar laxantes, para emagrecer. Fui internada 3 vezes, por ingerir demasiados comprimidos, por me tentar matar. E da terceira, tive que fazer uma lavagem ao estomago, e isso foi tão mau, que acho que foi o que me fez "acordar" para a realidade. Era um completo inferno.
 
Hoje, consigo ter uma visão diferente das coisas. Andei em terapia de grupo, familiar e consultas individuais. E sinceramente, acho que a terapia de grupo me fez bem. Ouvirmos outras experiências e falarmos com quem nos percebe, é muito melhor. Agora percebo porque que me matava a estudar e os meus resultados eram fracos, porque não me alimentava, porquê que tinha tanto frio, a pele toda esfolada, as dores de garganta, o isolamento, tudo. Agora, já estou a recuperar, mas qualquer coisa de mal que acontece, é na comida que descarrego. É obvio, que neste momento, olho para mim e não me sinto magra, mas sei que me fiz tanto mal, que faço um esforço enorme para tentar mudar isso. Deixei de ir às consultas, mas agora estou a pensar em voltar.
 
Neste momento, tento cumprir um plano, para pelo menos, andar com melhor humor e ter melhores resultados na escola. Quero com o meu testemunho, tentar ajudar outras pessoas que estão a passar pelo mesmo, para ver se têm aquele "click" que é preciso. Embora ainda não esteja curada, acho que já começo a ir no bom caminho. Porque agora, percebo que há mais vida, além do meu corpo. Eu dançava, e tive que deixar, eu sempre ambicionei ser modelo e não conseguia por tão fraca que estava. E perdi o mais importante, dois anos quase da minha adolescência fechada em casa a pensar no meu corpo, em comida, numa alimentação saudavel, em ter sempre isto a invadir-me a cabeça.
 
Neste momento ainda sinto, muitas vezes aquele bichinho que me diz "não devias" comer, mas agora já é mais fácil de o mandar embora. Porque chegar ao fundo, não é assim tão dificil como sair de lá, e durante este longo caminho há sempre muitos obstaculos que nos fazem regredir, por vezes.
 
Quero agradecer, por haver este espaço [na página da AFAAB] em que podemos desabafar e ajudar também.
 
Porque falar de fora, é muito fácil, dizer que é uma mania ou algo sem importância também, só quem passa pelo mesmo é que sabe o verdadeiro sofrimento!
 
Força e coragem, é o que é preciso para vencer esta batalha, porque até para entrarmos nisto precisamos de ter muita força."

4 comments:

Anonymous said...

Eu sofro de anorexia nervosa e bulimia, quero muito ultrapassar a doença e dei o passo mais importante, pedi ajuda... Ao fim de meses de espera, pela consulta de psiquiatria do Hospital de Loures tudo o que fizeram foi dizer-me: "não pense mais nisso, coma à vontade e vá sair com amigos". Senti-me tão desapontada. Tenho 37kg, já não tenho força para subir as escadas devido à deterioração muscular; tento pedir ajuda a supostos especialistas e sou confrontada com uma reacção de indiferença que me deixou chocada. Eu sei que uma consulta não faria milagres, mas esperava algo mais, não sei... É possivel ultrapassar isto sozinha?

ex ana said...

Anónima,
Gostava muito de poder responder que é possível ultrapassar sozinha mas infelizmente não é.
Há muitos e múltiplos caminhos para ultrapassar (mudanças boas à nossa volta podem ser fundamentais). A nossa vontade é indispensável e essa tens.
O caso que relatas da consulta pode acontecer. Cada vez mais raro mas pode acontecer. Mas atenção : primeiro estás TU! Por isso não te deixes abater por insensibilidades que encontres. Por vezes é difícil mas tens que encontrar coragem para tentar novamente. Porque não tentas outro local (HSM por exemplo)?
http://esqueciaana.blogspot.pt/2010/06/chamada-urgente.html
Há especialistas que o são verdadeiramente e te podem ajudar. Teres tido a coragem de dar o passo de procurar ajuda foi muito importante. Não percas esse animo. Podes estar em perigo sério.
Felicidades e coragem.

Anonymous said...

Obrigada pela resposta rápida. É incrível, eu admito que fiquei passivamente à espera da consulta porque achei que ia ser aquele o ponto de viragem. Mas depois de uma consulta de 10 minutos em que a única coisa que a psiquiatra me diz é "não pense nas calorias, coma normalmente e evite gorduras, faça um esforço para ir sair com os seus amigos e tente divertir-se". Que balde de água fria. Fiquei a duvidar da seriedade da minha doença. Neste momento estou motivada, mas a depressão, os pensamentos obsessivos... Tenho medo de perder a força se não tiver apoio. Tenho uma consulta de psicologia no mesmo hospital a 27 de Dezembro, mas depois daquela primeira experiência, as expectativas não são altas. Neste momento não sei se devo esperar ou tentar contactar o HSM. Mais uma vez, obrigada pela disponibilidade.

ex ana said...

Claro que irás ter apoio. Qunto mais depressa fores vista (com 37 independentemente da altura...).
Os doentes também precisam de não mascarar sintomas nas consultas (desculpa, mas eu que passei por ela-anorexia- sei a peritagem que me deu em ocultação de sintomas).
Deixo um link escrito por uma norte-americana que enuncia algumas das razões porque os especialistas por vezes não são como estamos à espera....Mas ATENCAO devem ser SEMPRE procurados. Nos links para Portugal existem alguns que podes contactar. Até à data da consulta já marcada ou de outra consulta que entretanto consigas. Coragem, muita coragem! Vais conseguir sair dessa situação.
http://esqueciaana.blogspot.pt/2010/10/medicos-ignorancia-e-doencas-do.html